O Governo do Estado prevê R$ 390 milhões a mais para a área da saúde no ano que vem. A informação foi dada pelo secretário estadual da Saúde em exercício, René José Moreira dos Santos, na abertura do Congresso de Secretarias Municipais de Saúde. “Orçamento digno para a saúde demonstra a prioridade que o governo do Paraná dá a essa área”, afirmou Santos.

A partir do próximo ano, os repasses de recursos aos municípios serão feitos fundo a fundo (depósitos feitos do fundo estadual de saúde aos fundos municipais de saúde), o que vai agilizar a aplicação em projetos, sem a necessidade de serem firmados convênios. O projeto de lei alterando o Fundo Estadual da Saúde será encaminhado à Assembleia Legislativa para votação.

René Santos destacou projetos prioritários para 2013. Segundo ele, a secretaria vai ampliar a implantação das redes de atenção à saúde e fortalecer a atenção primária. No orçamento, em trâmite na Assembleia Legislativa, estão propostos, por exemplo, a aplicação de R$ 126 milhões na Rede Mãe Paranaense, R$ 200 milhões na Rede de Urgência e Emergência, e R$ 90 milhões para o HospSUS (programa de apoio de hospitais públicos e filantrópicos), R$ 57 milhões somente para custeio.

Para a construção de centros de especialidades regionais e custeio dos consórcios intermunicipais de saúde estão previstos R$ 42 milhões. Outro projeto destacado foi a nova Escola de Saúde Pública, que deverá oferecer cursos de formação de gestores públicos de saúde.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

OPINIÃO DO JORNAL 

O governador esperou dois anos de gestão e uma retumbante derrota nas urnas das eleições municipais para fazer uma reunião com todo o secretariado e ainda avisar, via imprensa, que poderá demitir a qualquer momento quem não estiver cumprindo os tais contratos de gestão.

Via de regra é assim que o governador vem fazendo sua gestão, sob os holofotes da imprensa, sem novidades, sem obras para mostrar o governador faz o que sabe de melhor, propaganda. Tem alguns problemas na mão, dentre eles a queda da sua aprovação, a falta de novidades do seu governo em comparação ao Requião, o eterno desejo de agradar ao PMDB do mesmo Requião e agora tem que arrumar uma vaga para o Ducci que a partir de janeiro ou vai atender em algum posto de saúde da rede pública de Curitiba ou vai para as barbas do Richa.

É esperar para ver!