A Copel iniciou a operação comercial da primeira unidade geradora de energia da Usina Hidrelétrica Colíder. O empreendimento, que recebeu R$ 2,3 bilhões em investimentos, já tem, portanto, autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para injetar energia no Sistema Interligado Nacional (SIN). A hidrelétrica, situada no Rio Teles Pires, na região norte de Mato Grosso, tem potência instalada de 300 megawatts, dividida em três unidades geradoras.

O presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero, ressalta que a entrada em operação da UHE Colíder representa um marco na história da Companhia. Ele destacou que este é mais um passo para o fechamento de um ciclo de robustos investimentos em geração de energia limpa e leva a Copel a um novo patamar de capacidade instalada.

“É uma satisfação muito grande iniciar a operação dessa usina, que logo terá reflexos positivos no balanço financeiro da empresa”, acrescenta Slaviero. “Além disso, Colíder tem uma importância significativa no cenário nacional, já que o Brasil depende das hidrelétricas para garantir a operação adequada do sistema interligado”, afirma o presidente da Copel.

Com a Colíder, mais a UHE Baixo Iguaçu (PR) e o Complexo Eólico Cutia (RN) – a ambos próximos a entrar em operação –, a Copel estima um aumento anual de cerca de R$ 450 milhões na receita operacional.

UNIDADES GERADORAS – A Usina Colíder conta com mais duas unidades geradoras que estão em fase final de montagem e testes. No total, a hidrelétrica terá potência instalada de 300 megawatts, capacidade suficiente para atender até um milhão de habitantes. Para conectar a usina ao SIN, a Copel também construiu uma linha de transmissão com 64 quilômetros de extensão até a subestação da Rede Básica localizada no município de Cláudia (MT).

O diretor de Geração e Transmissão da Copel, Moacir Carlos Bertol, ressalta a importância da chegada à reta final dessa obra. “É uma conquista relevante para a equipe, que está focada e trabalhando de forma muito organizada para que as outras duas unidades geradoras entrem em operação comercial até o mês de junho. É mais uma fonte de energia limpa e renovável que contribui para a segurança energética do país”, diz Bertol.

COMPENSAÇÃO – A casa de força da Usina Colíder está localizada em Nova Canaã do Norte, mas o reservatório da hidrelétrica abrange, também, os municípios de Itaúba, Colíder e Cláudia. A instalação da usina e da linha de transmissão rendeu aos cofres municipais mais de R$ 30 milhões referentes ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN). No pico da obra, cerca de 2,7 mil pessoas trabalhavam no canteiro, movimentando a economia local.

Com o início da operação comercial, os quatro municípios que tiveram áreas alagadas e o Estado de Mato Grosso passam a receber uma compensação financeira pela utilização de recursos hídricos para geração de energia. Todos os meses, a Copel destinará 7% do valor da energia gerada para pagamento desse benefício, dividido entre os municípios, Estado e União, de acordo com regras previstas na legislação.

A Copel concluiu, ainda, um programa específico de apoio aos municípios para viabilizar a doação de bens e construção de instalações e equipamentos públicos definidos em parceria com as prefeituras, que também receberam repasses diretos: Colíder recebeu R$ 3,2 milhões; Itaúba, R$ 1 milhão; e Nova Canaã do Norte, R$ 1,7 milhão.

A Usina Colíder também financiou a elaboração dos primeiros Planos Diretores de Nova Canaã do Norte, Itaúba e Cláudia, além da revisão do Plano de Colíder, contribuindo com o planejamento e desenvolvimento sustentável da região.

Fonte: AEN